terça-feira, 30 de agosto de 2016

Comprar comprar até o sol apagar


Existe uma música da banda Capital Inicial que se chama "Maria Antonieta Tropical" e trata do consumismo exagerado nos dias de hoje.

Além disso trata de fatos históricos, ou melhor, uma alusão a eles, a Maria Antonieta rainha da França que era como a moça da letra da música.

Assim, para trabalhar consumismo, história e dissertação com os alunos é interessante discutir a letra dessa música, perguntar o porquê de ser "Maria Antonieta Tropical",  porque a moça da música precisa saber da Maria Antonieta real, o porquê de ela pode se dar mal no final. Além de discutir o consumismo hoje, seus impactos, como isso se tornou uma doença, o fato de os brasileiros serem um dos maiores povos que consomem atualmente, de isso não estar ligado a mulheres ou homens e do impacto disso na personalidade, nos relacionamentos e na vida das pessoas.

Vale a pena trabalhar um tema tão atual com os alunos e abrir a mente deles para o perigo do consumismo.

A letras da música com comentários podem ser visto em: http://kaprofissionaldeletras.blogspot.com.br/2016/08/comprar-comprar-ate-o-sol-apagar.html

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A leitura de imagens e de mundo


É interessante em Língua Portuguesa também trabalhar com textos que não envolvam apenas a linguagem verbal. Usar imagens de quadros ou qualquer outro tipo de imagem e fazer o aluno interpretá-las é bem gostoso e ensina o aluno a interpretar o mundo e não apenas as palavras.

Com esse quadro acima de Salvador Dalí e outras imagens grandes meus alunos fizeram interpretações e fiquei surpresa com cada uma que saiu. Me lembro de um deles dizendo que esses relógios que aparecem no quadro lembravam para ele pedaços de carne. Para outro o fundo da pintura lembrava uma praia. É importante assim ver também a interpretação que cada um faz de uma imagem que reflete sua visão de mundo.

Pode-se ainda aproveitar e pedir para que os estudantes transformem o texto não verbal em texto verbal e daí mais uma vez nos surpreendemos muito com produções escritas muito boas, sejam artísticas ou não.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A olimpíada brasileira na visão dos estudantes - Mil opiniões



No Ensino Médio se trabalha muito argumentação, os textos argumentativos que caem tanto em vestibulares e outros tipos de prova. Além disso, um aluno que sabe argumentar é um aluno crítico que conhece tudo o que acontece no mundo e tem sua própria opinião sobre aquilo.

Discutir com os alunos o que eles acham da Olimpíada esse ano no Brasil é muito interessante. Uns dizem não gostar de esporte, outros dizem não ter a mínima paciência para assistir aos jogos. Porém, quando questionados sobre 40% dos investimentos nos jogos serem de ordem pública e, com isso, serem tirados de impostos que pagamos as opiniões mudam.

Muitos não acompanham os jornais e não sabem muito bem o que acontece no Brasil. Então começamos a mostrar a eles os problemas mostrados no Brasil pela TV e o que uma Olimpíada pode gerar de bom num país. E pedimos a eles que coloquem os prós e  os contras em uma balança e é justamente nesse momento que saem os melhores redações. Há aqueles, a grande maioria, que digam que é um dinheiro que não deveria ser investido nisso, que o país tem outras prioridades como saúde, educação e segurança e que isso não se trata apenas de Rio de Janeiro, mas do país todo. Por outro lado, há os que digam que uma Olimpíada é algo muito bom para o turismo, que conhecemos pessoas de todo o mundo, que gera emprego. E os que demonstram saber dos problemas brasileiros, mas, que temos que nos orgulharmos de sermos brasileiros e podermos mostrar ao mundo que somos.

Enfim, um tema atual discutido com os estudantes de Ensino Médio, mostrados fatos que acontecem, muitos textos bons saem e nos surpreendemos.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Anúncios e argumentação



Fazer os estudantes entenderem o que é argumentação é às vezes complicado. Porém, se trouxermos algo mais concreto e do cotidiano deles tudo pode se tornar mais fácil. 

Um anúncio publicitário traz consigo argumentos para convencer um determinado público a comprar um produto ou serviço. E aí é que está a chave: argumentos também são usados, claro, em uma argumentação.

 Assim, o conceito de argumento pode tornar-se mais objetivo aos olhos dos alunos e, usando a imaginação e sem perceber, eles mesmos argumentarão sobre um produto inventado por eles mesmos. 

Foi justamente essa atividade proposta aqui, criar um produto e argumentar tão bem para convencer o leitor a comprar esse produto. E daí, surge de tudo, abridor de garrafa que só abre boas bebidas, tênis com asas e molas, árvore do dinheiro (compre as sementes), cola que passando na folha dá a resposta a uma questão... E por aí voa a imaginação dos adolescentes. Imaginação e ótimos argumentos a serem explorados com eles!

OBS- Essa atividade pode ser trabalhada juntamente com o professor de artes e não apenas de Língua Portuguesa. Os anúncios podem ser feitos em papel ou vídeo. 

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Voltando de férias...





Voltando de férias...
É incrível ver a animação dos adolescentes e agora no segundo semestre a preocupação em estudar mais, em passar de ano.
O bom de deixar uma reunião de pais para o segundo semestre é poder convocar os pais dos alunos com mais notas vermelhas e lhes dizer que agora é hora de ir pra frente ou largar de vez o barco e fazer a série ou ano todo novamente o ano que vem. É hora de conscientização.
Claro que, os bons devem ser sempre incentivados a continuarem assim e todos devem ser incentivados sempre a encontrar e alcançar seus objetivos na vida.
O professor não é apenas um mero transmissor de conhecimento, é um profissional formado para lhe dar com pessoas sejam crianças, jovens ou adultos. E quando lhe damos com pessoas acabamos por criar um vínculo com elas e elas percebem isso. Sim, o aluno sabe o professor que está lá tentando fazer um bom trabalho e aquele que não, aquele que está preocupado com a aprendizagem e aquele que não está.
Às vezes é difícil, mas conhecer a realidade do aluno e ter o apoio de um pedagogo especializado seja em psicopedagogia ou educação especial ajuda muito.
Nenhum trabalho é fácil, menos ainda o que envolve o ser humano... Por isso, é preciso gostar e aceitar desafios!