sexta-feira, 27 de maio de 2016

O verdadeiro fim da indisciplina





A indisciplina é muito mais que uma falta de pulso firme do professor, ou de um contrato pedagógico, uma discussão de regras. A família está primeiramente envolvida nesse processo, pois, ela é o principal espelho de crianças e adolescentes, é dela que vem o principal exemplo. Se um aluno fala palavrão na escola, é repreendido, os pais são chamados e chegam na escola falando palavrão, de nada vai adiantar repreender esse aluno na escola se os pais em casa falam palavrão. O mesmo se, por exemplo, um aluno é chamado por ter batido em outro e os pais, diante da professora falam pra ele que se ele apanhou tem de bater também. Ou pior, há pais que ainda ficam contra a escola e protegem seus filhos parecendo não enxergar os erros dos filhos.

Assim, fica complicado combater a indisciplina, os valores de escola e família tem de ser os mesmo, a escola é a transmissora de conhecimento que complementa a socialização das crianças e adolescentes para que saibam conviver mais tarde em uma faculdade e no mercado de trabalho. Mas, a moral quem ensina é a família.

Enquanto não houver famílias realmente responsáveis pela educação de seus filhos não haverá o fim da indisciplina e da violência.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Literatura é algo simples e gostoso...



Na primeira série do Ensino Médio os alunos começam a ver o que é literatura e a estuda-la. Iniciam pela literatura portuguesa até chegarem à literatura brasileira e entenderem o que as duas têm em comum.
Porém, entender Camões, Gil Vicente e outros não é fácil. Mas, pode ficar se o professor usar videos que, de uma forma simples e clara, mostram o que esses autores escreveram.
Há um tempo atrás, na TV Cultura, havia um programa chamado Tudo o que é Sólido Pode Derreter que contava a história de Thereza uma adolescente comum de São Paulo. Contudo, as histórias de Thereza estavam sempre ligadas aos livros de literatura clássica que ela estava lendo para a escola. E ela mesma vai comentando sobre o livro enquanto coisas parecidas acontecem em sua vida.
Com isso o professor pode trabalhar de forma fácil e gostosa os textos literários que são vistos não apenas na primeira série do Ensino Médio, e sim por, todo ele.
Abaixo o endereço do vídeo de O Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente:

https://www.youtube.com/watch?v=AKWobsJq5jo

quarta-feira, 11 de maio de 2016

A visão da educação pelo aluno



Na Segunda série do Ensino Médio se trabalha romantismo e realismo. Uma ótima atividade é pedir para que os próprios alunos sejam poetas realistas ou românticos escrevendo críticas sociais ou poemas com sentimentalismo, intimistas.

O mais interessante é que muitos acabam por ir para o lado da crítica social e a gente acaba se surpreendendo com poemas como esse abaixo que mostra bem como o aluno está vendo a escola pública. Sim, o aluno que ainda quer aprender e não consegue graças a outros que só atrapalham por uma falta de educação que vem de casa. Fica a dica pra sociedade...

" Escolas"

95% de alunos
Vem pra bagunçar
O restante 5%
Tenta estudar.

Quem não quer nada com nada
Não devia aqui estar
Deveria dar a chance
Para quem quer a algum lugar chegar.

Quem não quer nada com nada
Deveria enxergar
A escola vai ajudar
O Futuro melhorar.

Quem quer tudo com tudo
Um dia vai chegar
O futuro melhorar
Sua família ajudar.

Quem vem pra estudar
Não tem nada a perder
Lá na frente com profissão
Uma vida boa irá ter.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Crítica social pelo olhar adolescente

Trabalhando músicas da banda Legião Urbana é possível trabalhar o senso crítico de alunos da primeira série do Ensino Médio. Músicas como "Índios" e "Ha tempos", por exemplo, fazem com que se criem questões sobre o mundo de hoje, sobre a indisciplina, o consumismo. E o resultado é surpreendente quando lemos textos dos próprios alunos falando sobre o egoismo humano, a futilidade, as verdadeiras amizades, o poder manipulador da mídia e a importância de ser feliz com quem somos, gostamos e temos.






domingo, 1 de maio de 2016